NOTÍCIAS

ATIVIDADE ESTRATÉGICA PARA ATRAIR A ATENÇÃO DO SEU ALUNO COM TEA
06/04/2019

ATIVIDADE ESTRATÉGICA PARA ATRAIR A ATENÇÃO DO SEU ALUNO COM TEA

Olá Professor, como vai?

Para encerrar a semana de conscientização do autismo, nós não poderíamos deixar de colocar aqui uma atividade estratégica para atrair a atenção do seu aluno com TEA.

Você sabe que há diversas formas de autismo, alguns que apresentam isolamento, outros ausência total de comunicação verbal, agitação psicomotora intensa, comportamento repetitivos que se identificam como ?ritual?, repetitivos e o próprio contato social.

Portanto, o que funciona para um aluno não funciona para outro, na atividade que estamos sugerindo o aluno vai trabalhar os efeitos sonoros, expressões faciais exageradas, suspense e onomatopeias.

 

Meta Principal:

Comunicação verbal. Contato visual. Desenvolver período de atenção compartilhada de 5min ou mais.

Ação motivadora (o papel do adulto):

Fazer bolhas de sabão e, com suspense e animação, manusear o fantoche do sapo para que ele ?coma? as bolhas.

 

Solicitação (o papel da criança)

Falar a palavra ?Bolha?. Em algumas regiões brasileiras a bolha de sabão é chamada de bola de sabão. Se sua criança reside em uma destas regiões, altere e solicite que ela tente falar a palavra ?Bola?.

 

Preparação da atividade:

Traga um potinho de fazer bolhas de sabão e um fantoche de sapo para o quarto. Se o fantoche for daqueles que abrem a boca, fica mais interessante ainda!

 

Estrutura da atividade:

Apresente o potinho de bolhas e comece a soprar bolhas para a criança. Se ela se interessar, faça mais bolhas. Modele a palavra com a qual a criança poderá pedir por mais bolhas de sabão: você diz ?Bolhas? diversas vezes enquanto sopra as bolhas e durante a pausa de sua ação. Pegue o fantoche do sapo e diga à criança que o sapo come bolhas e que ele está com muita fome. Procure pegar cada uma das bolhas com a boca do sapo. Faça um suspense antes de soprar as bolhas e antes do sapo comê-las. Utilize movimentos amplos pelo quarto, exagere suas expressões faciais, imite o pulo e o som (onomatopeia) do sapo. Faça um som interessante ou diga a palavra ?bolha? de forma divertida no momento exato em que sapo for comer cada bolha. Essas técnicas poderão deixar a brincadeira mais divertida, darão mais motivos para a criança querer olhar para você ? ao invés de olhar apenas para as bolhas ? e poderão estimular uma maior qualidade e duração de atenção por parte da criança. Quando a criança estiver altamente motivada por sua ação, demonstrando querer mais de sua ação (através de gestos, olhares, sorrisos, sons) passe a solicitar durante as pausas que ela tente falar a palavra ?bolha? para comunicar a você querer mais. Aguarde a resposta da criança, celebre qualquer tentativa para falar a palavra e responda aos sons oferecendo imediatamente a ação desejada por ela. Ao sermos responsivos às comunicações da criança, mostramos a função de suas comunicações e a inspiramos a querer utilizar e desenvolver cada vez mais suas habilidades de comunicação.

 

Gostou da atividade? Adapte-a conforme a sua necessidade em sala de aula!

- Sabemos que não são todas as atividades que atrairão todo tipo de aluno, portanto, confira abaixo estratégias e dicas de abordagens para você implementar no dia a dia afim de ter maior engajamento do seus alunos:

 

a)      - Aposte na linguagem visual: prefira explicar e ilustrar conteúdos apoiando-se em figuras, quadros, fotos, objetos reais e demonstrações físicas.

b)      - Opte por dividir as atividades, exercícios e tarefas em partes: em vez de pedir que o aluno faça, por exemplo, cinco operações matemáticas ou escreva dez frases de uma vez, sugira primeiro que ele comece com duas ou três.

c)      - Comece pelas tarefas mais fáceis e deixe as tarefas mais complexas para o final: isso eleva a autoestima do aluno e o estimula a continuar engajado na atividade. 

d)     -  Forneça instruções claras e diretas e use palavras concretas: evite enunciados e solicitações longas e abstratas. Em vez de fazer perguntas abertas, ofereça duas alternativas e deixe que o aluno escolha a que deseja. Você poderá usar ainda músicas, gestos, objetos e personagens para facilitar a comunicação e tornar as interações com os professores e os demais alunos mais divertidas.

e)      - Inclua acessórios na rotina ? elabore quadros de rotinas visuais e relógios para acompanhar a marcação do tempo e antecipar a transição de atividades.

 

- Utilizar abordagens sensoriais: É muito comum que uma de suas habilidades seja mais apurada que as das outras crianças. Caso o pequeno apresente alguma resistência a um barulho, a um cheiro ou imagem; não a force. Converse com os pais. Só uma equipe de profissionais pode propor uma intervenção eficaz. Se o aluno não demonstrar resistência aos estímulos, então explore as habilidades (visão, audição, etc.). 

g)     -  Privilegie as habilidades: o aluno é diverso, cada autista apresenta uma característica. Por exemplo, há crianças com TEA que são extremamente organizadas, aponte como uma grande habilidade, enaltecendo-o e estimulando-o. Use esses interesses e motivações para despertar a atenção para as atividades, para facilitar o engajamento nas tarefas e para manter o aluno focado numa tarefa quando a classe estiver mais agitada.

h)     -  Invista na troca de informações com a família e com os outros profissionais que auxiliam o aluno: mantenha anotações detalhadas na agenda diária do aluno e converse com a família sobre habilidades adquiridas e desafios encontrados no dia a dia.

i)       - Observe a ocorrência de sobrecarga sensorial ? ofereça exercícios físicos, massagens ou objetos de conforto de forma a auxiliar o processamento sensorial.

j)        - Prepare alternativas para as atividades ? planeje um ?plano B?, ou seja, uma forma alternativa de apreender determinado conteúdo ou de executar determinada atividade.

k)     -  Acredite no potencial do aluno ? procure soluções criativas para verificar se o aluno tem absorvido o conhecimento, especialmente nos casos dos alunos que ainda não utilizam a comunicação verbal.

l)       - Troque questões abertas por questões fechadas (como as de múltipla escolha) e incorpore desenhos, esquemas visuais e ilustrações às questões e explicações.

m)    - Use histórias sociais, de preferência ilustradas ou reproduzidas teatralmente, para explicar situações sociais mais complexas como as festas da escola, a chegada das férias ou a troca de professores ? todas estas situações podem ser antecipadas, explicadas e ensaiadas através destas histórias sociais.

n)      - Não tenha medo de errar ? tente encontrar os caminhos que funcionam melhor com cada aluno, lembrando que as crianças com autismo podem diferir bastante entre si. Estas são apenas dicas estratégicas que te oferecem melhor oportunidade de desenvolver a atenção e a evolução do seu aluno. O professor tem grande papel fundamental nas etapas da vida da criança com TEA porque participa ativamente do dia a dia do aluno, por isto é fundamental a busca pelo conhecimento contínuo diante dos desafios deste transtorno.

O Grupo Rhema oferece capacitação on-line que abrange este tema com duas mestras na área e com certificação pelo MEC, portanto, conheça este curso e a possibilidade maior de você garantir novas experiências e ampliar melhor as condições para seu aluno ou filho evoluir, BASTA CLICAR AQUI.

DESTAQUES